LAMINA FREIJO NATURAL - N238
Ref.: 21


Por apenas

R$ 58,10 à vista - 8%

 


Compra 100% segura


Descrição completa

O preço apresentado refere-se ao metro quadrado (m²) da lâmina.

Por se tratar de uma lâmina natural, as cores, formas e desenhos apresentados nas imagens podem variar.
Caso necessário, solicite fotos do produto para conferir estas característcas antes do envio.

Características:

Nome científico: Cordia goeldiana Huber, Boraginaceae.

Outros nomes populares: frei-jorge, freijó-branco, freijó-preto, freijó-rajado, freijó-verdadeiro, louro-freijó.

Nomes internacionais: freijo (ATIBT,1982BSI,1991), laurel blanco (América Central), pardillo (Venezuela), salmwood (Grã Bretanha).

Ocorrência: 
 Brasil: Amazônia, Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia.

Características sensoriais: cerne e alburno distintos pela cor, cerne castanho-claro-amarelado, pode apresentar manchas e estrias enegrecidas; superfície lustrosa; cheiro e gosto imperceptíveis; densidade baixa; grã direita; textura média.

Descrição anatômica macroscópica: 
 Parênquima axial: invisível mesmo sob lente, ás vezes paratraqueal vasicêntrico e aliforme escassos, ocasionalmente marginal em linhas curtas irregulares; 
 Raios: visíveis a olho nu no topo e na face tangencial, médios, muito poucos. 
 Vasos: visíveis a olho nu, pequenos a grandes; muito poucos a poucos, porosidade difusa; ás vezes orientados tangencialmente; solitários e múltiplos de 2 a 4; obstruídos por tilos. 
 Camadas de crescimento: distintas individualizadas zonas fibrosas tangenciais mais escuras e pelo arranjo tangencial dos vasos.

Durabilidade natural: a Madeira de freijó apresenta durabilidade moderada ao ataque de organismos xilófagos (fungos e insetos) (IPT,1989a) , entretanto, para (Berni et al.,1979) apresenta baixa resistência ao ataque de cupins. Estudo realizado pela (SUDAM/IPT,1981) verificou que a durabilidade desta Madeira é inferior a 12 anos de serviço em contato com o solo.

Tratabilidade: Madeira moderadamente difícil a difícil de tratar, apresentando retenções de preservativo oleossolúvel entre 200kg/m3 e 300kg/m3 ou abaixo de 100kg/m3 (IBDF,1981